painel VIII Festival de Opera do Parana.png
 

VIII Festival de Ópera do Paraná | 2022




De 8 a 13 de novembro - Curitiba e Araucária


27 de novembro - Foz do Iguaçu. 



ENTRADA FRANCA 

• Não é necessário retirar ingressos

• Os espaços abrem uma hora antes de cada récita


Grade de Eventos


Programação:


• Ayrs and Grounds (concerto)

Música Barroca Curitiba

11 de novembro - 20h

Guairinha


Molhem Minha Goela com Cachaça da Terra (ópera contemporânea)

12 de novembro - 18h

Casa Eliseu Voronkoff (Araucária)

12 de novembro - 21:30h

Guairinha

13 de novembro - 18h

Guairinha

Versos Para Todo Canto (recital lírico)

27 de novembro - 20h

A Casa (Foz do Iguaçu)

Rita ou Le Mari Battu (ópera)

Gaetano Donizzeti

On-line a partir de 11 de novembro


Festa de São João (opereta de costumes brasileiros)

Chiquinha Gonzaga

On-line a partir de 11 de novembro


5º Simpósio Brasileiro de Canto

• Técnica Vocal (Profª Emerli Schlögl)

8 de novembro - 10h

Miniauditório (Teatro Guaíra)


• História do Teatro Musical: 60 anos de Broadway no Brasil (Profª Débora Bérgamo)

9 de novembro - 10h

Miniauditório (Teatro Guaíra)

• O futuro é a cultura (Ítala Nandi)

10 de novembro - 10h

Miniauditório (Teatro Guaíra)

• Apresentações e comunicações de pesquisas acadêmicas

10 de novembro - 11h

Miniauditório (Teatro Guaíra)

Apresentações canceladas pela EMBAP:

O Elixir do Amor 

11 de novembro - 20h 

12 de novembro - 20h

Guairinha


Les Misérables 

11 de novembro - 21:30h 

12 de novembro - 21:30h

Guairinha

 
 

Sem intuição, não há salvação!

Ítala Nandi

Diretora Artística

A música é uma das artes que nos permite sair desse pessimismo pós-moderno e por fim na euforia social da era industrial. Por quê? Porque o novo mundo, quântico, atual, ainda não se encontra claramente manifesto, e as pessoas não conseguem reconhecer o novo contexto sociocultural para julgar uma obra que já se encontra nele.
Mas o artista que ouviu o canto da sereia da criatividade tem de assumir o risco que seus contemporâneos não podem compreender.
São artista ou grupos de artistas que estão à frente de seu tempo; eles antecipam uma mudança sociocultural que ainda não foi rompida em razão da inércia do velho mundo, do velho paradigma.
A cultura é a terra em que pisamos, e suas origens; a educação nos domestica, mas necessária, porém precisamos das artes para sair do chão, voar, sentir, e crer na intuição que há em todos nós.
A ópera nasceu por volta de 1600. Artistas italianos tentaram recriar  a antiga tragédia grega que usava também a música. Mas daí surgiu algo inteiramente novo, cuja força dramática logo se impôs. A escola mais importante foi a de Veneza, onde surgiu o primeiro gênio da ópera, Monteverdi (1567-1643)
A palavra “orquestra” vem do grego “orkhéstra” e era na Grécia Antiga, o espaço localizado, sua localização, entre o palco e a plateia e isso se manteve, sendo que o palco era ocupado por dançarinos. A orquestra sinfônica pode ter até 120 executantes, porém as orquestras de câmara chegam a 50 e ambas  são formadas por grupos de instrumentos de cordas, madeiras, metais e percussão.
“A Noite de São João” de autoria de José de Alencar e música de Elias Álvares Lobo, costuma ser conhecida como a primeira ópera genuinamente brasileira, escrita e representada no Rio de Janeiro em dezembro de 1860, no palco do Real Theatro São João, foi o primeiro grande teatro construído no Brasil e foi inaugurado em 1843.
Seja forte, altruísta, artístico e agradeça quem lhe proporciona voar, sentir, amar as artes, assim você estará à salvo.

 

Precisamos de Ópera para além do Bicentenário de Independência

Gehad Ismail Hajar

Diretor Geral

Nos últimos anos somente este Festival de Ópera do Paraná foi responsável por oferecer ao público paranaense produções operísticas, uma vez que os teatros públicos, privados e companhias simplesmente não mais fizeram.


Os editais de incentivo, como o “Ópera Ilustrada”, na Capela Santa Maria, há quase uma década não mais é oferecido, e na seara estadual, nada também é feito perenemente no incentivo à ópera.


Chamamos para nós, produtores deste festival, a responsabilidade de produzir quase tudo que foi oferecido na programação das últimas edições, sem abrir mão da gratuidade ao público e da interiorização.


Sem Lei Rouanet, sem Profice, sem Mecenato Municipal, mantivemos oito edições em oito anos, sempre com o compromisso de acessibilidade, formação de plateia e óperas nacionais.


Agora, ano de bicentenário da Independência do Brasil e já período pós-pandêmico, é necessário que o Poder Público volte a incentivar as produções para que este evento subsista e cresça ainda mais.


Este é o nosso clamor: incentivo público para a manutenção da linguagem operística no Estado do Paraná; ou voltaremos a ter o vácuo de espetáculos que provamos antes da criação deste evento que, com toda força de vontade dos envolvidos, mantem-se vivo.


Nossa gratidão à Fundação Cultural de Curitiba, ao Centro Cultural Teatro Guaíra e à Escola de Música e Belas Artes do Paraná, parceiros sobre-eminentes e imprescindíveis.


Também agradecemos e relevamos os parlamentares que apoiaram e viabilizaram este evento:  Ver. Alexandre Leprevost; Verª. Carol Dartora; Ver. Denian Couto; Ver. Eder Borges; Ver. Ezequias Barros; Verª. Flavia Francischini; Ver. Herivelto Oliveira; Ver. Hernani; Ver. Marcos Vieira; Verª. Maria Leticia; Ver. Mauro Bobato; Ver. Mauro Ignácio; Ver. Nori Seto; Ver. Oscalino do Povo; Verª. Profª. Josete; Ver. Sabino Picolo; Verª. Sargento Tania Guerreiro; Ver. Sergio Balaguer; Ver. Sidnei Toaldo; Ver. Tito Zeglin; Ver. Zezinho Sabará.


Avante! Tenham um ótimo festival!

 
 

Realização

 
 

Apoio

 
 

Ficha Técnica

VIII FESTIVAL DE ÓPERA DO PARANÁ

Direção Geral

Gehad Ismail Hajar


Direção Artística

Ítala Nandi


Direção de Produção

Gláucia Sola


Direção de Comunicação

Adriane Baldini

Direção de Audiovisual

Marcus Bonato


Coordenação de Design Gráfico

Lucinete Vieira


Projeto Gráfico

Maria Helena Fontana Cabral Adonis


Assistentes de Produção

Ametista Gaia

Lucas Rocha

Magno Leite

Victoria Spitzner

Produção Local (Araucária)

Ana Júlia Besciak

Ana Paula Frazão

Fernando Vidal

Pedro Sfendrych

Produção Local (Foz do Iguaçu)

Arlete Andrion

Fabius Augusto Bonato 

Gláucia Sola

Guilherme Arruda

Marcus Bonato




PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA

Prefeito     

Rafael Greca de Macedo


FUNDAÇÃO CULTURAL DE CURITIBA 

Presidente

Ana Cristina de Castro


Diretor de Ação Cultural

Edson França Bueno


Diretor de Patrimônio Cultural

Gabriel Serrato Paris


Diretora de Incentivo à Cultura

Loismary Pache


Diretor de Planejamento

José Roberto Lança


Diretor Administrativo e Financeiro

Cristiano Augusto Solis de Figueiredo Morrissy


Coordenadora de Comunicação

Lila Fachim